Priscilla Alcântara relata acidente: “Quase morri enforcada”



– Advertisement –

Priscilla Alcantara / Instagram
Priscilla Alcântara usou suas redes sociais na noite desta última segunda-feira (23) para relatar aos seus seguidores um momento bastante desesperador que ela enfrentou. Devido a pandemia do coronavírus, a maioria das pessoas estão em casa, de quarentena, e buscando novas forma de passar o dia, e foi em um desses momentos que ela passou  um grande sufoco.
Através do Stories do Instagram, a cantora gospel contou que ela tem aproveitado o tempo livre para tomar sol o deck da sua casa, e acabou tendo um pequeno acidente quando foi aproveitar o momento para renovar a cor.
– Advertisement –

+ Priscilla Alcântara elogia Flayslane, do ‘BBB20’, e faz convite especial
Priscilla revelou que estava deitada no chão e quando decidiu se levantar acabou ficando presa. A corrente que estava em seu pescoço tinha um pingente e o objeto prendeu na fresta no chão, fazendo com que ela não conseguisse se levantar.
– Advertisement –

“Todo dia estou indo tomar sol no deck aqui de casa. Eu uso uma gargantilha. Eu estava deitada e quando fui levantar, travou, não consegui levantar. Vocês acreditam que o pingente ficou preso no deck e eu quase morri enforcada?”, contou ela.
+ “Duas fadas”, declara Maisa ao lado de Bruna Marquezine e Priscilla Alcântara
Em seguida a cantora explicou que ela conseguiu sair do local porque seu pai apareceu. “Sorte que meu pai foi regar a planta e eu chamei ele. Mas, gente, que desespero”, disse ela, que contou a história dando risada, após o momento de tensão. “O diabo tentou me seifa, mas falhou. Não foi hoje”, finalizou o relato.
Priscilla também compartilhou um vídeo onde mostrava o momento em que ela ficou presa no deck, na legenda ela comentou a situação desesperadora que viveu: “Eu tentando filmar pra entender o que tinha acontecido kkkkk, desesperada”, afirmou ela.
Priscilla Alcantara relata acidente / Instagram
+ Priscilla Alcantara emociona com desabafo: “A gente costuma usar a arte pra diluir nossos fantasmas”